top of page
Buscar
  • Foto do escritorEugênio Rego

"A Baleia" é um mergulho no caos

Com o excelente drama estrelado por Bredan Fraser, Darren Aronofski está perdoado de qualquer erro que tenha cometido na sua carreira de diretor até aqui. Depois do surto de "Mãe !" (2017) o cineasta inglês volta a nos incomodar - dessa vez pelos motivos certos - com seus filmes dramáticos beirando o melodrama, cheios de simbologias e que calam fundo na alma.


Dessa vez o drama trágico de Charlie, um professor que abandonou a esposa e filha para viver um grande amor, nos apresenta a uma sucessão de punições sem tréguas que nos fazem retorcer na poltrona. Adaptado da peça homônima escrita por Samuel D. Hunter - que também assina o roteiro do filme -o filme escancara os últimos dias de um homem com obesidade severa, mas caminha voluntariamente a passos rápidos para a morte depois que tudo em sua vida - menos a comida - faz mais sentido.


"A Baleia", assim como o excelente "Meu Pai", é um filme perigoso porque concentra a ação mais na interpretação dos atores do que na profusão de sequências e cenários características do cinema. O calvário de Charlie se passa entre a sala, o quarto e varanda de sua pequena casa no interior de Idaho, nos EUA., num inverno frio e chuvoso. O local sujo, fedido e algo sombrio reflete a mente e a vida do professor de inglês que dá cursos online de redação sem nunca ligar a câmera do computador por temer a reação dos alunos ao seu corpo.


Não bastasse a compulsão por comida, o protagonista ainda tem que lidar com o sentimento de desespero e a culpa que lhe acompanham por abandonar a filha de oito anos e mais tarde perder o marido para o suicídio. O que restou a Charlie foi apenas a vontade de morrer dissociada da coragem de abreviar a vida. Comer até morrer e corrigir redações de seus alunos são os pilares da vida da pobre figura.


Como nos filmes de Aronofosky desgraça nunca é demais, a filha (Sadie Sink, de Stranger Things) resolve procurá-lo para descarregar toda a frustração e mágoa cultivadas por quase uma década. E Ellie não poupa o pai de nenhuma palavra ou ato que reforce o desprezo e o desejo de vingança que ela por ele. "Ela é um monstro", reconhece Mary, a mãe interpretada brilhantemente por Samantha Morton (a Alfa de The Walking Dead). O único suspiro de Charlie são as visitas de Liz (Hong Chau), a amiga enfermeira que, entre tapas de beijos, o alimenta, consola e o salva da morte em algumas ocasiões.


Todas as críticas apontam Brendan Fraser como o ganhador do Oscar de Melhor Ator no Oscar 2003. Apesar do começo melodramático, tanto a atuação do ator como o roteiro vão se tornando mais orgânicos no decorrer da trama e estabilizam numa produção de grande efeito emocional no espectador.


Fraser usou 25 quilos de próteses de silicone sobre o corpo para compor o visual do personagem, mas é na fragilidade, bondade a amargura de Charlie dosadas sutilmente pelo ator que mostra trabalho. Ele torna a dor do professor obeso mórbido seja até mesmo palpável.


"A Baleia" assim como "Meu Pai" são filmes de cinema com c maiúsculo: o homem e suas tragédias e alegrias são o centro da ação e o que realmente importa. Ano passado Anthony Hopkins levou a estatueta que em 2023 pode ir parar nas mãos de Fraser. Curiosamente ambos os filmes são adaptações de peças de teatro.


PS: Os membros da Academia de Cinema de Hollywood adoram interpretações do tipo "um espírito baixou em mim" reforçadas por uma transformação física. Brendan Fraser é a bola da vez...

75 visualizações3 comentários

Posts recentes

Ver tudo

3 Comments


darkgero
Mar 09, 2023

Já tava querendo assistir. Agora estou mais curioso

Like

Francisco Chaves
Francisco Chaves
Mar 04, 2023

Que resenha, já anotando aqui pra assistir.

Like

Sergio Guerra
Sergio Guerra
Mar 04, 2023

Ainda não vi, mas está na minha lista sim.

Like
bottom of page